Cabeçalho da página

Plantas Professoras: Dimensões Psíquicas, Históricas e Educativas

Maria Betânia B. Albuquerque

Resumo

Trata o presente artigo de uma reflexão sobre as potencialidades educativas de determinadas plantas com destaque para aquela que é considerada a planta professora por excelência, a ayahausca, beberagem de origem indígena, também conhecida por uma diversidade de nomes, entre os quais: natema, yagé, nepe, kahi, caapi, nixi pae, shori, kamarampi, cipó, além de daime, vegetal e outros. Resultado de uma pesquisa de natureza teórico-bibliográfica, objetiva-se caracterizar o campo intelectual que envolve essas plantas tidas como ensinadoras, bem como evidenciar suas dimensões psiquícas, históricas e educativas, destacando a ayahuasca entre a diversidade de espécies que conformam a farmacopéia indígena amazônica. Apoiada nos estudos de Henrique Caneiro (2002; 2005) e Escohotado (2004) procuro evidenciar, a histórica circularidade dessas plantas em diversas culturas e sociedades, bem como a influência exercida nos processos de sobrevivência e perpetuação dos saberes grupais. Com Benny Shanon (2002) destaco o profundo impacto cognitivo que exercem na mente das pessoas, bem como a capacidade de mediarem uma multiplicidade de saberes.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v9i1.5491

© Direitos reservados à Amazônica - Revista de Antropologia
This is an open access website under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Comercial License.
Designed by: Leonardo Baima
Creative Commons License
Amazônica - Revista de Antropologia da Universidade Federal do Pará é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-No Derivative Works 3.0 Brasil.
Based on a work at www.periodicos.ufpa.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica.