A CRISE DE SENTIDO E A GLOBALIZAÇÃO CONTRA- HEGEMÔNICA NA LITERATURA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Giselle Rodrigues RIBEIRO

Resumo


Cada vez mais se evidencia uma grande crise de sentido no mundo predominantemente capitalizado em que vivemos. Não obstante, podemos já perceber uma reação a este respeito. Trata-se do fenômeno da globalização contra- hegemônica, conforme este conceito é delineado por Boaventura de Sousa Santos em A globalização e as Ciências Sociais. Neste texto, objetivamos, então,  pontuar como esta tendência apresenta-se já idealizada e presente na tessitura literária em língua portuguesa.  Para tanto, consideramos duas obras de amplitude bem distintas, são elas Ensaio sobre a cegueira, do português José Saramago e Místida, de Abdulai Sila, escritor da Guiné- Bissau, livro este de que examinamos o primeiro capítulo, embora muitas das considerações a se realizar estejam relacionadas a toda a composição. Além disso, é necessário pensar que antes de adentrarmos a abordagem da própria ação de resistência que configura  a globalização contra- hegemônica é preciso por em evidencia contra o quê determinados grupos se insurgem. Este é, portanto, o procedimento que seguimos nesta exposição.

PALAVRAS- CHAVE: Globalização contra- hegemônica; literaturas de língua portuguesa; resistência; literaturas da Guiné-Bissau.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/moara.v1i31.3622

      http://diadorim.ibict.br/handle/1/1356