Cabeçalho da página

A IRA DE DEUS E O FOGO QUE SALTA: A EPIDEMIA DE BEXIGAS NO ESTADO DO MARANHÃO (1695)

Tamyris Monteiro Neves

Resumo

Este artigo trata sobre a epidemia de “bexigas” de 1695, que devastou o Estado do Maranhão e Grão-Pará, visando demonstrar qual o impacto dessa doença nos habitantes da região e que ações foram engendradas a partir da necessidade de mão-de-obra que se formou nesse contexto. As fontes utiliza­das são correspondências de natureza oficial, como as cartas trocadas entre as autoridades coloniais e a Coroa portuguesa, e a crônica do padre jesuíta João Filipe Bettendorff. Além de se inserir nos estudos sobre a Amazônia colonial, esta pesquisa busca dialogar também com os autores da chamada “história ambiental”, visto que a epidemia estudada revelou uma variável ambiental que pesou consideravelmente nas decisões tomadas acerca da colonização do Estado do Maranhão naquele período.

Palavras-chave: epidemia, período colonial, Maranhão


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v5i2.1497

© Direitos reservados à Amazônica - Revista de Antropologia
This is an open access website under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Comercial License.

Gerencia do Portal

Luciléia Silva:

Email: lucileia@ufpa.br

Creative Commons License
Amazônica - Revista de Antropologia da Universidade Federal do Pará é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-No Derivative Works 3.0 Brasil.
Based on a work at www.periodicos.ufpa.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica.