Cabeçalho da página

A MEDICALIZAÇÃO DA ESPERANÇA: REFLEXÕES EM TORNO DE VIDA, SAÚDE/DOENÇA E MORTE

Rachel Aisengart Menezes

Resumo

Este artigo aborda o processo de transformação dos sentidos da esper­ança, ocorrido a partir da secularização da sociedade ocidental moderna. Com a perda da transcendência e a ênfase na fisicalidade e no hedonis­mo, a categoria esperança torna-se objeto de medicalização, adquirindo novos significados. O texto explicita como o aparato biomédico passou a lidar com a produção de esperanças em relação à saúde e a construção de uma “morte com dignidade”, após a segunda metade do século XX. A análise é empreendida com base em levantamento bibliográfico sobre a temática. Os debates em torno das esperanças “legítimas” – ou não – se centram, sobretudo, no destaque concedido ao direito de autonomia individual, o que denota a preeminência de valores morais vigentes em cada contexto examinado.

Palavras-chave: Vida e morte, esperança, medicalização.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v5i2.1503

© Direitos reservados à Amazônica - Revista de Antropologia
This is an open access website under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Comercial License.

Gerencia do Portal

Luciléia Silva:

Email: lucileia@ufpa.br

Creative Commons License
Amazônica - Revista de Antropologia da Universidade Federal do Pará é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-No Derivative Works 3.0 Brasil.
Based on a work at www.periodicos.ufpa.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica.