Cabeçalho da página

A Amazônia e a Problemática do Subdesenvolvimento: Uma análise a partir da visão de Celso Furtado

Alex Fiúza de Melo, Eduardo José Monteiro da Costa

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar uma leitura da problemática do subdesenvolvimento da Região Amazônica sob a inspiração e ótica da formulação estruturalista clássica de Celso Furtado, em contraposição ao paradigma analítico hoje hegemônico, que credita à escala local e regional elevado poder na condução de uma estratégia de endogenia desenvolvimentista. Busca-se, desta forma, demonstrar que a Amazônia, apesar de possuir enormes e latentes potencialidades, carece de um Projeto Nacional e encontra-se submetida a uma lógica federativa deletéria à superação de sua condição de periferia econômica. É destacado, pois, que a região, apesar de estar no centro dos debates internacionais, ainda permanece na periferia dos interesses da nação.


Palavras-chave

Amazônia, Celso Furtado, subdesenvolvimento


Texto completo:

PDF

Referências


ABC. Academia Brasileira de Ciência. Amazônia - desafio brasileiro do século XXI: a necessidade de uma revolução científica e tecnológica. ABC. São Paulo, 2008.

AFFONSO, R. B. (1995). A federação no Brasil: impasses e perspectivas. In: AFFONSO, R. B. A e SILVA, P. L. B. A federação em perspectiva: ensaios selecionados. São Paulo: FUNDAP, 1995, p. 57-75.

ANPUR. Revista brasileira de estudos urbanos e regionais. Publicação semestral da Anpur, nº 1, maio de 1999.

ARANTES, O., MARICATO, E. e VAINER, C. A cidade do pensamento único. Petrópolis: Vozes, 2000.

BOISIER, S. Política Econômica, Organização Social e Desenvolvimento Regional. In: HADDAD, P., R.; FERREIRA, C.M. de C.; BOISIER, S. e ANDRADE, T.A. Economia Regional (teorias e métodos de análise). Banco do Nordeste S.A. Fortaleza, 1988.

BORJA, J. e CASTELLS, M. Local y global: la gestión de las ciudades en la era de la información. United Nations for Human Settlements, Madrí: Santillana de Ediciones, S.A., 1997.

BOYER, R. Capitalismes fin de siècle. P.U.F. Paris, 1986.

BRANDÃO, C., A. A Dimensão Espacial do Subdesenvolvimento: uma agenda para os estudos urbanos e regionais. Tese de Livre-Docência. Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2003.

___________. A Espacialidade da Riqueza: notas teóricas sobre as principais determinações da dimensão espacial do desenvolvimento capitalista. Rio de Janeiro: Cadernos IPPUR, Ano XV, n.1, 2001.

___________. Espaço como Receptáculo X Espaço Construído Socialmente. Universidade Estadual de Campinas (Mimeo). Campinas, 2002b.

___________. Localismos, mitologias e banalizações na discussão do processo de desenvolvimento. Anais do VII Encontro Nacional de Economia Política e II Colóquio Latino Americano de Economistas Políticos. Curitiba, 28 a 31 de maio de 2002a.

CAMPOS, F., A. Estratégias de Desenvolvimento Nacional: o papel do capital estrangeiro entre o segundo Governo Vargas e o Governo Castelo Branco (1951-1966). Campinas: 2003. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Economia – Universidade Estadual de Campinas.

CASSIOLATO, J. E. & LASTRES, H. M. M. Globalização & Inovação Localizada – Experiências de Sistemas Locais no Mercosul. Brasília: IBICT/MCT, 1999.

___________. e SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: In.: LASTRES, M.; CASSIOLATO, J.; MACIEL,

M. Pequenas empresas: cooperação e desenvolvimento local. Relume Dumará Editora, julho de 2003.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

___________. e HALL, P. Las tecnópolis del mundo: la formación de los complejos industriales del siglo XXI. Madri e Londres. Alianza Editorial, 1993.

COSTA, Eduardo José Monteiro da Costa. Políticas Públicas para o Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais em Regiões Periféricas: Um estudo de caso a partir de aglomerações produtivas paraenses. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, 2003.

COMPANS, R. A Emergência do empreendedorismo público urbano na cidade do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado – UFRJ/IPPUR. Rio de Janeiro, 2001.

FURTADO, F. (1959). Formação econômica do Brasil. 24. ed. São Paulo: Nacional, 1991.

___________. (1967). Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: ed. Nova cultural, 1986, (col. Os economistas).

___________. Um Projeto para o Brasil. 3.ed. Rio de Janeiro: Editora Saga S.A., 1968a.

___________. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. 3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968b.

___________. Formação econômica da América Latina. Rio de Janeiro: Lia, 1969.

___________. O Mito do desenvolvimento econômico. 1. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

___________. Pequena introdução ao desenvolvimento. 1. ed. São Paulo: Nacional, 1980.

___________. Cultura e desenvolvimento em época de crise. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

___________. (1992a). Brasil: a construção interrompida. 1. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

___________. (1992b). O Subdesenvolvimento revisitado. Revista Economia e Sociedade/IE-UNICAMP, v. 1, p. 5-19, 1992.

___________. O Capitalismo Global. 1. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

___________. O Longo Amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. 1. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

HIRSCHMAN, Albert O. The rise and decline of development economics. In Essays in trespassing: economics to politics and beyond. Cambridge University Press, 1981.

___________. The strategy of economic development. New Havens, Yale University Press, 1958.

JIMÉNEZ, E. M. Evolución de los paradigmas y modelos interpretativos del desarrollo territorial. Santiago: ILPES/CEPAL Serie Gestión Pública nº 13, 2001.

______________. Nuevos enfoques teóricos, evolución de las políticas regionales e impacto territorial de la globalización. Santiago: ILPES/CEPAL Serie Gestión Pública nº 27, 2002.

MCT. Ministério da Ciência e Tecnologia. Livro Azul - 4ª. Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável. MCT/CGEE. Brasília, 2010.

MCTI. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015: Balanço das Atividades Estruturantes 2011. MCTI. Brasília, 2011.

MENDEZ, R. Geografia económica: la lógica espacial del capitalismo global. Barcelona: Editora Ariel, 1997.

OHMAE, K. O Fim do Estado-nação: a ascensão das economias regionais. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

OLIVEIRA, F. (2001). Um Republicano exemplar. In: ARBIX, G., ZILBOVICIUS, M., ABRAMOVAY, R. Razões e ficções do desenvolvimento. São Paulo: Edusp / Ed. UNESP, 2001, p. 33-38.

PELLEGRINO, A. C G. T. O Nordeste de Celso Furtado: sombras do subdesenvolvimento brasileiro. Campinas, 2003. Dissertação de Mestrado – IE/Universidade Estadual de Campinas.

PERROUX, F. A economia do século XX. Porto: Herder, 1967.

REZENDE, F., LIMA, R. (Org.) Rio - São Paulo Cidades Mundiais: desafios e oportunidades. Brasília: IPEA, 1999.

SAMPAIO Jr., P. S. A. Entre a nação e a barbárie: uma leitura da contribuição de Caio Prado Jr., Florestan Fernandes e Celso Furtado à crítica do capitalismo dependente. Campinas, 1997. Tese de Doutorado – IE/Universidade Estadual de Campinas.

SCHMITZ, H.. Collective efficiency and increasing returns. Working Paper n. 50, Institute of Development Studies, UK 1997.

SEBRAE. Termo de Referência para Atuação do SEBRAE em Arranjos Produtivos Locais. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Brasil – SEBRAE: Revisão 1 – 19/06/2003.

VAINER, C., B. As escalas do poder e o poder das escalas: o que pode o poder local? Cadernos IPPUR, Ano XV, Nº 2, Ago-Dez: 2001

VÁZQUEZ B., A. Desarrollo, redes e innovación: lecciones sobre desarrollo endógeno. Madri: Ediciones Pirámide, 1998




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/cepec.v1i1-6.6770

Apontamentos

  • Não há apontamentos.