Cabeçalho da página

A Questão do Desmatamento Florestal no Pará: Evidências Empíricas Centradas em Econometria Espacial

André Cutrim Carvalho, David Ferreira Carvalho, Maurício Aguiar Serra, José Maria Ferreira Jardim da Silveira

Resumo

O presente artigo se propõe a investigar e discutir teoricamente os principais fatores responsáveis pela dinâmica do desmatamento florestal no Estado do Pará, numa perspectiva de abordagem realizada por intermédio da econometria espacial. A hipótese básica deste trabalho é de que a expansão da fronteira agropecuária é o elemento condutor do fenômeno do desmatamento florestal no Pará, sendo que esse avanço da fronteira agropecuária carrega, também, outros fatores que estão ligadas diretamente ao avanço do progresso econômico capitalista, tais como: cresimento econômico (PIB), construção de estradas, incremento do rebanho bovino, estrutura fundiária concentrada, especulação sobre o preço da terra, crédito rural, Instituições, mecanismos de governança, entre outros. No entanto, a principal atividade causadora de desmatamento florestal no Estado do Pará é a pecuária de corte em regime extensivo. Nesse contexto, a econometria espacial será uma ferramenta de extrema importância para mensurar, a partir dos resultados obtidos no modelo econométrico espacial, os efeitos que o desmatamento florestal vem provocando no Pará, bem como a especificidade de cada um. O período escolhido para a análise econométrica espacial compreende os anos de 2000 e 2008, devido à elevada taxa de desmatamento no Pará..


Palavras-chave

Desmatamento florestal, econometria espacial, Pará, fronteira, pecuária.


Referências


ANDERSEN, L.E. GRANGER, C.W.J., REIS, E.J.. (1997). “A randon coefficient VAR transition tidamodel of the changes in land use in the Brazilian Amazon”. Revista de Econometria, v.17, n.1.

ANDERSEN, L. & REIS, E.J.. (1997). “Deforestation development and government policy in the Brazilian Amazon: an econometric analisys”. Texto para Discussão, 513. Brasília, IPEA.

ANSELIN, Luc. (1988). “Spatial Econometrics: Methods and Models”. Dordrecht, Kluwer Academic Publishers.

ANSELIN, L.. (1995). “Local indicators of spatial association – LISA”. Geographical Analysis. V 27 (2), April. p. 93-115.

ANSELIN, Luc. (2005). “Exploring Spatial Data with GeoDa – A Workbook Spatial Analysis Laboratory”. Department of Geography University of Ilinois, Urban-Champaign, Urban, IL 61801 and Centre for Spatially Integrated Social Science.

ANSELIN, Luc & BERA, A.K.. (1998). “Spatial dependence in linear regression models with an introduction to spatial econometrics”. Handbook of applied economic statistics, ed. by A. Ullah and D.E.A. Giles), pp. 237–289. Marcel Dekker, New York.

ANSELIN, LUC & LOZANO-GRACIA, Nancy. (2008). “Errors in variables and spatial effects in hedonic house price models of ambient air quality”. Empirical Economics, Springer, vol. 34(1), pages 5-34, February.

CÂMARA, G. et al. (2002). “Análise espacial de áreas”. In: FUCKS, S. D. et al. Análise espacial de dados geográficos. 1ª ed. São José dos Campos: INPE..

CARVALHO, André Cutrim. (2012). Expansão da Fronteira Agropecuária e a Dinâmica do Desmatamento Florestal na Amazônia Paraense. Campinas, SP, Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia.

CARVALHO, André Cutrim, CARVALHO, David Ferreira. Pecuária de corte em regime extensivo e Desmatamento na Amazônia Paraense no período de 2000-2005: uma abordagem centrada em Econometria de Painel. In: IX Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos – VIII ENABER, 2011, Natal-RN

CHIARINI, Túlio. (2009). Acesso a serviços públicos e pobreza no Rio Grande do Sul: uma análise espacial: 2000. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 30, n.1, p. 195 – 228.

CUNHA, Luiz Henrique & COELHO, Maria Célia Nunes. (2010). “Política e Gestão Ambiental”. In: A Questão Ambiental: Diferentes abordagens. Sandra Baptista da Cunha & Antonio José Teixeira Guerra. (Org.). RJ, Bertrand Brasil.

FEARNSIDE, Philip M.. (1993). “Deforestation in Brazilian Amazon: The effect of population and land tenure”. Ambio, 22(8).

FEARNSIDE, Philip M.. (2003). A Floresta Amazônica nas Mudanças Globais. Manaus, INPA.

FERRAZ, C. (2001). “Explaining agriculture expansion and deforestation: evidence from the Braziliam Amazon: 1980-1998”. Texto para Discussão, Nº 828. Brasília, IPEA/DIPES.

FLORAX, R. J. G. M., FOLMER, H., REY, S. J.. (2003). “Specification searches in spatial econometrics: The relevance of Hendry´s methodology”, Regional Science and Urban Economics, vol. 33, n. 5, p. 557-79.

GARCIA, R.A., SOARES-FILHO B.S., MORO, S.. (2004). Modelagem espacial do desmatamento amazônico. XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP. Anais. Caxambu, Brasil.

GUJARATI, Damodar N.. (2000). Econometria Básica. São Paulo, Makron Books.

IGLIORI, D. (2008). “Deforestation, growth and agglomeration effects: evidence from agriculture in the Brazilian Amazon”. Discussion paper series: University of Cambridge, department of land economy, nº 28. UK.

LESAGE, J. P.. (1998). “Spatial econometrics”. Department Of Economics, University of Toledo. Disponível em: http://www.spatial-econometrics.com/html/wbook.pdf Acesso em: 17/07/2012.

MARGULIS, S.. (2002). Quem são os agentes dos desmatamentos na Amazônia e por que eles desmatam? Word Bank internal paper. (2002). Disponível em: http://www.ecoeco.org.br/ conteudo/ publicações/ encontros/iv_en/mesa5/5.pdf. Acesso em 30/05/2012.

MARGULIS, S.. (2003). Causas do desmatamento da Amazônia brasileira, Technicalreport, B.Mundial.

MORAN, E.. (1996). “Deforestation in the Brazilian Amazon”. In: SPONZEL, L.E. et al.(Ed.). Tropical deforestation: the human dimension. New York, Columbia University Press.

PAELINCK, Jean H.P. (2005). “Spatial econometrics: history state-of-the-art and challenges ahead”. Workshop on spatial econometrics. Kiel: Institute for World Economics, 2005. Disponível em: http://www.uni-kiel.de/ifw/konfer/spatial/paelinck.pdf . Acesso em: 18/05/2012.

PFAFF, A.S.P.. (1999). “What Drives Deforestation in the Brazilian Amazon?” Journal of Environmental Economics and Management, v.37, p.26-43.

REYDON, Bastiaan Philip & PLATA, Ludwig. (2000). Políticas de mercado de tierras en Brasil, Políticas Agrícolas, Volume Especial. Santa Fé de Bogotá, Colômbia.

VIEIRA, Rodrigo de Souza. (2009). Crescimento econômico no Estado de São Paulo: uma análise espacial. Ed. Cultura Acadêmica.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/cepec.v3i1-6.6834

Apontamentos

  • Não há apontamentos.