Cabeçalho da página

A poluição do ar sob uma visão econômica com aspectos de seguridade e sustentabilidade

Edward Luiz Alves Reis, Gisalda Carvalho Filgueiras, Maria Lucia Bahia Lopes

Resumo

No âmbito das falhas de mercado encontram-se as externalidades negativas, originário de fontes móveis geradoras de poluentes nocivos ao meio ambiente, objeto deste estudo, onde se propõe uma avaliação hipotética de custos associados à saúde em dois focos: mortalidade e morbidade, com base de dados do sistema do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (DATASUS), relativos a gastos hospitalares e números de internações. A partir, destas variáveis, investiga-se sobre o indivíduo afetado e a sua disposição a pagar (DAP). Para tanto, utilizou-se o método da produção sacrificada, conforme indicado por Seroa da Motta (2000), que associa um fator ambiental da poluição atmosférica à indicadores de saúde para estimar, em determinado período anual, se cada evento adverso da saúde impactou a população. Como resultado, constatou-se que o benefício total anual da redução alcançou R$ 519,07 milhões em 2011, dos quais R$ 467,37 milhões são devido à morbidade e R$ 51,7 milhões a mortalidade. Hipoteticamente, significa o quanto os indivíduos devem valorar, em termos monetários, a redução do risco de óbitos e da incidência das doenças do aparelho respiratório associadas com a poluição do ar. Finalmente, com a implementação de políticas relativas à questão da sustentabilidade ambiental na região metropolitana de São Paulo, vislumbrou-se uma redução na emissão de poluentes por veículos automotores em 22,89% na emissão de monóxido de carbono, entre os anos de 2011 e 2012, confirmando que a implementação de políticas públicas direcionadas ao bem-estar da população traz ganhos para a sociedade como um todo.


Palavras-chave

Falhas de mercado. Externalidades. Seguridade social. Poluição do ar. Análise custo-benefício.


Referências


Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e

atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Brasília, DF; 1998. Disponível em:. acesso em 28 jun.2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Sistema de Planejamento do SUS : Uma construção coletiva : Plano Nacional de Saúde (PNS) 2008/2009-2011 / Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010. Disponível em:. acesso em 01 ago.2013.

CETESB, Cia Ambiental do Estado de São Paulo,

. Acesso em 28 Maio.2012.

COHEN, J. T. “Diesel vs. compressed natural gas for school buses: a cost-effectiveness evaluation of alternative fuels”. Energy Policy, v. 33, nº 13, p. 1709-1722, 2005.

Grupo de Trabalho Interministerial – GTI. Relatório final. Brasília, 2003. Disponível em:

. Acesso em: 13 de Janeiro de 2011.

IBGE. Indicadores sobre população na Divisão de Estatística das Nações Unidas. Estatísticas Demográficas e Sociais. Produtos e bases de dados estatísticos. Indicadores Sociais, 2010,

e 2012. http://unstats.un.org/unsd/demographic/products/socind/population.htm. Acesso em: 31.jan.2013.

IE/UNICAMP - Valoração de Recursos Ambientais – Metodologias e recomendações, nº 116, Mar.2004.

MAC KNIGHT, VIVIAN; YOUNG, CEF. Análise custo benefício da substituição do diesel por gás natural veicular em ônibus na região metropolitana de São Paulo. Boletim Infopetro, v. 7, p. 8-12, 2006.

Mansfield, Edwin. Yohe, Gary. Microeconomia: Teoria e Aplicações / Edwin Mansfield e Gary Yohe; (Tradução da 11ª edição americana por Cid Knipel Moreira). Editora Saraiva,

MENDES, FRANCISCO EDUARDO E SEROA DA MOTTA, RONALDO. Instrumentos Econômicos para o Controle Ambiental do Ar e da Água: Uma Resenha da Experiência Internacional. Texto para discussão n.º 479. Rio de Janeiro, IPEA, 1997.

NOGUEIRA, J. M., MEDEIROS, M. A., ARRUDA, F. S. “Valoração econômica do meio ambiente: ciência ou empiricismo?”. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 17, nº. 2, 2000.

NTU (Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano). Utilização do gás natural no transporte público urbano. Relatório. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em

http://www.ntu.org.br/publicacoes/gnv.pdf . acessado em 13/04/2005.

ONUBR. Nações Unidas no Brasil. Fatos sobre as cidades. Departamento de Informação Pública das Nações Unidas, junho de 2012. Disponível em:. Acesso em: 29 jun.2013.

ORTIZ, R.A. “Valoração Econômica ambiental” in MAY, P.& LUSTOSA, M.C. & VINHA,

V. Economia do Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Campus, 2003, pp 81-99.

PEARCE, D. W. Economia Ambiental. Tradução da 1ª edição em espanhol por Eduardo L.

Suarez. Fundo de Cultura Econômica, México, 1985.

Sachs, Ignacy. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável / Organização: Paula Yone Stroh. - Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2000.

SANTANA, A.C. de. “Elementos de economia, agronegócio e desenvolvimento local”. Belém: GTZ; TUD; UFRA, 2005. p.37-43. (Série Acadêmica, 01). Serôa da Motta, Ronaldo; Mendes, Ana Paula Fernandes. "Custos de saúde associados à poluição do ar no Brasil." Pesquisa e Planejamento Econômico 25.1 (1995): 165-198.

Serôa da Motta, Ronaldo. Manual para Valoração Econômica de Recursos Ambientais.

Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal.

IPEA/MMA/PNUD/CNPq. Rio de Janeiro, 1997.

_____________________. O Uso de Instrumentos Econômicos na Gestão Ambiental /seroa@ipea.gov.br, Abril, 2000.

Thomas, Janet M. Economia Ambiental: Fundamentos, Políticas e Aplicações / Janet M. Thomas, Scott J. Callan; (tradução Antonio Claudio Lot, Marta Reyes Gil Passos). São Paulo: Cengage Learning, 2010.

UNEP FINANCE INITIATIVES. Risk, The Environment and The Role of The Insurance Industry. EPA Victoria, janeiro, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/cepec.v3i1-6.6844

Apontamentos

  • Não há apontamentos.