Cabeçalho da página

A Metamorfose do Sistema Capitalista e as Leis do Movimento do Capital

André Cutrim Carvalho

Resumo

O modo de produção capitalista é hoje dominante em escala mundial. Desde a sua consolidação, na passagem do século XVIII ao XX, ele experimentou uma complexa evolução. Atualmente não se confronta com nenhum desafio externo á sua própria dinâmica: impera na economia das sociedades mais desenvolvidas (centrais) e vigora na economia das sociedades menos desenvolvidas (periféricas). Por vezes, subordina modos de produção precedentes, ou seja, o modo de produção capitalista é dominante em todos os quadrantes do mundo, configurando-se como um sistema planetário. Dito isso, o objetivo do presente artigo é estruturar o longo processo de transição histórico-dialético do capitalismo, que perpassa pela acumulação primitiva, capitalismo concorrencial e monopolista, além de destacar o avanço imperialista pelo mundo, e a discussão de capital financeiro, procurando destacar os processos capitalistas de acumulação, de concentração e de centralização, o que Karl Marx chamou de leis do movimento do capital.


Palavras-chave

Modo de Produção Capitalista, transição do capitalismo, leis do movimento do capital.


Texto completo:

PDF

Referências


BARAN, P. & SWEEZY, P.. (1974). Capitalismo Monopolista. RJ, Ed. Zahar, 2ª Edição

BRAGA, José Carlos Souza. (2000). Temporalidade da Riqueza. Campinas/SP, UNIICAMP. p. 269-293.

CARVALHO, David Ferreira. (2000). O Movimento do Capital em Geral e a Dinâmica dos Capitais Plurais na Concorrência. Papers do NAEA, UFPA, Belém-PA, v.150, p. 1-42.

CHESNAIS, François. (1996). A Mundialização do Capital. São Paulo, Xamã.

CHESNAIS, François. (1998). A Mundialização Financeira. São Paulo, Xamã. p. 32-36.

DOBB, Maurice (1976). A Evolução do Capitalismo. Rio de Janeiro, Zahar. p.312-390.

GUTTMANN, Robert. (1998). As mutações do capital financeiro. In: CHESNAIS, Francois (org). A mundializalação financeira: gênese, custos e riscos. São Paulo: Xamã.

HOBSBAWM, E. J. (1977). A Era do Capital. Rio de Janeiro, Paz e Terra. P.49-100.

HOBSBAWM, E. J. (1978). Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo. RJ, Forense-Universitária.

JOSÉ, Caio & Rennó, GAMBI, Thiago F.R. Gambi. (2012). Capitalismo monopolista: de Baran e Sweezy ao debate brasileiro. IV Conferência Internacional de História Econômica & VI Encontro de Pós-Graduação em História Econômica, São Paulo, Cidade Universitária, p. 01-15. Acesso em: 28/05/2013. Disponível em: http://cihe.fflch.usp.br/sites/cihe.fflch.usp.br/files/Caio_Renno.pdf

LÊNIN, V. (1979). Imperialismo Fase Superior do Capitalismo. SP, Global. p. 46-66.

LUXEMBURGO, Rosa. (1984). A Acumulação do Capital. Contribuição ao estudo econômico do imperialismo. São Paulo: Abril Cultural.

MARX, Karl (1985; 2006). O Capital: Crítica da Economia Política. L. I: O processo de produção do Capital. t. II. São Paulo: Nova Cultural.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. (1987). Cartas filosóficas & O manifesto comunista de 1848. São Paulo, SP: Editora Moraes.

MELO, Alessandro de. (2009). A redução ontológica do homem à maquina em Marx: subsídios ao debate contemporâneo. BH, Educação em Revista, v. 25, n. 02, p. 155-174.

NETTO, J. P. & BRAZ, M.. (2010). Economia política: uma introdução crítica. 6ª edição. SP. Ed. Cortez.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/cepec.v2i7-12.6862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.