Cabeçalho da página

Análise da Exportação de Madeira do Pará em Período Recente

Jorge Eduardo Macedo Simões, Edson da Silva e Silva, David Costa Correia Silva

Resumo

Este artigo analisa a atividade madeireira no Pará e sua relação com o comércio exterior, mas especificamente a relação da atividade madeireira na pauta de exportação do estado, verificando se existem relações de longo prazo entre as variáveis, e, por conseguinte, analisando o poder preditivo para a quantidade de madeira exportada no período de 1997-2012. Utilizou-se um tratamento econométrico através das técnicas de cointegração e aplicação do modelo de vetores auto-regressivos e correção de erros. Os resultados dos testes evidenciam a ocorrência de cointegração assegurando a presença de um elo linear entre as tendências estocásticas das variáveis, ou seja, que as mesmas movem-se estocasticamente juntas ao longo do tempo, na direção de equilíbrio de longo prazo. Além disso, o modelo de correção de erro apresenta confiabilidade de 42%. As decomposições das variâncias indicam que a variável FOB/IPC explica maior parte das flutuações de curto e longo prazo no peso líquido (T).


Palavras-chave

Atividade Madeireira; Comércio Exterior; Vetores Auto-Regressivos.


Referências


BACEN. Banco Central do Brasil. Relatório de Inflação. Brasília, 2004.

CAMPEBEL, J.; SHILLER, R. Cointegration and of Present Value Models. Journal of Political Econonomy, vol. 95, Nº 5, 1987.

DICKEY, D.A. & FULLER, W.A. Estimators for autoregressive time series with a unit root. Journal of the American Statistical Association, 1979.

ENGLE, R. D. H, GRANGER, W.J. Cointegration and Error-Cointegration: Representation Estimation and Testing. Econometria, 1987.

FIGUEIREDO, A. M.; LOPES. M. L. B.; FILGUEIRAS, G. C. Extração de madeira e agregação ao PIB da Região Amazônica. Amazônia: CI & Desenvolvimento. vol. 1, n. 1. Belém, jul.-dez. 2005.

GUJARATI, N.D. Econometria básica. 3º ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

IMAZON. Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. A atividade madeireira na Amazônia brasileira: produção, receita e mercados. Serviço Florestal Brasileiro. Belém, 2010.

______. Áreas protegidas da Amazônia brasileira: avanços e desafios. São Paulo, 2011.

JOHANSEN, S.; JUSELIUS, K. Maximum likelihood estimation and inference on cointegration: with applications to the demand for money. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, v.52, p.169-219, 1990.

KENNEDY, Peter. A Guide to Econometrics. The MIT Press, 3ª Edição, 1993.

LIRA, S. R. B.; SILMA, M. L. M.; PINTO, R. S. Desigualdade e heterogeneidade no desenvolvimento da Amazônia no século XXI. Nova Economia. vol. 19 nº 1. Belo Horizonte, jan. 2009.

LITTERMAN, R. Techniques of Forecasting Using Vector Autoregression. Working Paper Nº15, Federal Reserve Bank of Minneapolis. 1979.

LUCAS, Robert E. Avaliação Econometria da Política: Uma Crítica, em Carnegie-Rochester seres de conferências, A Curva de Phillips. Amsterdam, Norte da Holanda, 1976, p19-46.

MONTEIRO, M. A. Meio século de mineração industrial na Amazônia e suas implicações para o desenvolvimento regional. Revista Estudos Avançados. vol. 19, nº 53. São Paulo jan.-abr. 2005. Disponível em:

. Data de acesso: 10 de fevereiro de 2013.

PARÁ. Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. Indústria: análise conjuntural agosto de 2011. Belém, 2011.

PHILLIPS, P.C.B, and P. PERRON (1988). Testing for a Unit Root in Time Series Regressions. Biometrika 75, 335-346.

SANTANA, A. C.; SANTOS. M. A. S.; OLIVEIRA, C. M. Preço da madeira em pé, valor econômico e mercado de madeira nos contratos de transição do estado do Pará. Relatório de pesquisa. UFRA, ISARH, IDEFLOR E FUNPEA. Belém, 2010.

SIMS, C.A. Macroeconomics and Reality. Econometrica, vol.48, 1980.

ZIVOT, E. and ANDREWS, K. Further Evidence On The Great Crash, The Oil Price Shock, and The Unit Root Hypothesis. Journal of Business and Economic Statistics, 10 (10), pp. 251–70. 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/cepec.v4i1-6.6879

Apontamentos

  • Não há apontamentos.