Cabeçalho da página

A JUVENTUDE PARAENSE NO MERCADO DE TRABALHO: CARACTERÍSTICAS GERAIS

João Gustavo Loureiro, Mariza Mathis, Márcia de Lima Pereira Couto, Mariana Nascimento Oliveira, José Raimundo Barreto Trindade

Resumo

As mudanças na estrutura produtiva e a própria reorganização da atividade econômica no Brasil gerou colo elemento geral profundas alterações no mercado de trabalho, que embora a partir dos anos 2000 tenha iniciado um período com sinais de melhorias em termos do cenário vivenciado na década anterior, persistem enormes desafios que marcam não apenas a realidade nacional, regional, estadual e mesmo uma preocupação mundial: a inserção dos jovens no mercado de trabalho.  A partir dessa perspectiva, este trabalho tem como objetivo apresentar as características da inserção dos jovens no mercado de trabalho do Brasil e do estado do Pará, a partir da construção metodológica baseada na análise de estatísticas descritivas de emprego e renda, obtidas nos órgãos e institutos de pesquisa oficiais. Os primeiros resultados apontam, por exemplo, um declínio em termos de taxa de ocupação dos jovens, predomínio de jovens ocupados com ensino médio completo e do sexo masculino, tendência crescente nos níveis de formalização, mais também salários relativamente baixos comparados às pessoas em idade adulta, denotando, sobretudo, a urgente necessidade de políticas que se voltem para esses trabalhadores de maneira específica e que se atente para as diversas realidades do país, como é o caso do estado do Pará.


Palavras-chave

Juventude; Mercado de trabalho; Marxismo


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. A condição de proletariedade: a precariedade do trabalho no capitalismo global. Londrina: Praxis, 2009.

ABRAM, Laís. Desigualdades de gênero e raça no mercado de trabalho brasileiro. Cienc. Cult. 2006, vol.58, n.4, pp. 40-41.

BRAGA, R. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo, 2012.

CAMARGO, Fernanda Sartori. Análise estrutural do emprego formal e informal na economia brasileira. Piracicaba: USP/ESALQ, 2006.

CORBANESE V. & ROSAS G. Direitos no trabalho para os jovens: Guia do Facilitador. Genebra: OIT, 2013. Disponível em: https://goo.gl/NKusUH, último acesso: 10/12/2017.

CORSEUIL, Carlos Henrique e BOTELHO, Rosana Ulhôa. Desafios à trajetória profissional dos jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Ipea, 2014.

DAL ROSSO, Sadi. O ardil da flexibilidade: os trabalhadores e a teoria do valor. São Paulo: Boitempo, 2017.

DIEESE. Trajetórias da juventude nos mercados de trabalho metropolitanos: mudanças na inserção entre 1998 e 2007. São Paulo: DIEESE, 2008.

FREYSSINET, J. As trajetórias nacionais rumo à flexibilidade da relação salarial: a experiência europeia. In: GUIMARÃES, N. A. (Org.). Trabalho flexível, empregos precários? Uma comparação Brasil, França, Japão. São Paulo: Editora da USP, 2009.

POCHMANN, Márcio. A batalha pelo primeiro emprego: as perspectivas e a situação atual do jovem no mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: Publisher Brasil, 2000.

POCHMANN, M. & MORAES, Reginaldo. Capitalismo, Classe trabalhadora e Luta política no início do século XXI: experiência no Brasil, Estados Unidos, Inglaterra e França. São Paulo: FPA, 2017. Disponível em: https://goo.gl/2wmqVG. Último acesso: 10/12/2017.

HARVEY, David. A Acumulação capitalista. In: Para entender O Capital. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

_______________. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política [1867]. São Paulo: Boitempo, 2013.

MATOSO, Jorge. A Desordem do Trabalho. São Paulo: Scritta, 1995.

OLIVEIRA, C. E. B. de e MATTOSO, J. E. L. Crise e Trabalho no Brasil, modernidade ou volta ao passado? São Paulo: Scritta, 1996.

SILVA, E. R. A. et al. A Informalidade do Trabalho da Juventude no Brasil: o que pensam os/as integrantes do subcomitê da agenda nacional de trabalho decente para juventude. Brasilia: OIT, 2015. 56 p.

VENTURI, G., TORINI, D. Transições da escola para o trabalho dos jovens homens e mulheres no Brasil. Genebra: OIT, 2014. 72 p.

TRINDADE, J. R. B. A metamorfose do trabalho na Amazônia. Belém: Editora da UFPA/NAEA, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/cepec.v6i7-12.7041

Apontamentos

  • Não há apontamentos.