Logo do cabeçalho da página Novos Cadernos NAEA

Capital social e clientelismo em comunidades extrativistas no sul do Amapá - Amazônia brasileira

Adalberto Carvalho Ribeiro, Marco Antonio Chagas, Elimar Pinheiro do Nascimento

Resumo

O artigo analisa a dinâmica do capital social e do clientelismo em comunidades extrativistas no sul do estado do Amapá, especificadamente no Assentamento Agroextrativista do Maracá, na Reserva Extrativista do Rio Cajari e na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru. A capacidade organizacional dessas comunidades, elevadas há pouco tempo ao status de populações tradicionais, ainda gera controvérsia entre pesquisadores. Essas comunidades preservam formas coletivas de solucionar problemas, contudo, quando as ações são mais complexas expressam maiores dificuldades em seguir adiante. Os resultados apontam capacidade organizacional e existência de capital social comunitário para resolver determinadas questões mais simples. Porém, existem evidências contundentes de interesses clientelistas nas unidades estudadas, com variações que se manifestam por meio de relações comerciais, formas de aviamento e pela presença de agentes políticos partidários, estes muitas vezes representados pela própria liderança comunitária.


Palavras-chave

Capital Social. Clientelismo. Comunidades Extrativistas. Sul do Amapá.


Texto completo:

PDF

Referências


ALLEGRETTI, M. H. A construção social de políticas ambientais: Chico Mendes e os movimentos seringueiros. 2002. 827f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

BAHIA, L. H. N. O poder do clientelismo: raízes e fundamentos da troca política. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

CHAGAS, M. A.; RABELO, B. V. Uma contribuição ao conhecimento da história de criação das Unidades de Conservação do Amapá – Amazônia Brasileira. Revista Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 6, n. 2, p. 211-227, 2015.

COLEMAM, J. Social Capital in the Creation of Human Capital. The American Journal of Sociology, v. 94, p. 95-120, 1988. Disponível em:https://faculty.washington.edu/matsueda/courses/587/readings/Coleman%201988.pdf. Acesso em: 12 set. 2017.

COSTA, F. A. Formação agropecuária da Amazônia. Os desafios do desenvolvimento sustentável. 2. ed. Belém: UFPA-NAEA, 2012.

DURSTON, J. ¿Qué es el capital social comunitário? Serie Políticas Sociales, n. 38, CEPAL: Santiago, 2000. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/5969/1/S0007574_es.pdf. Acesso em: 01 set. 2017.

DURSTON, J. El capital social campesino en la gestíon del desarrollo rural: Diadas, equipos, puentes y escala. CEPAL: Santiago, 2002. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/2346/1/S2002033_es.pdf. Acesso em 01 set. 2017.

DURSTON, J. Territorios divididos y resurgencia de capital social: dos casos de segregación étnica rural. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 12, n. 1, p. 28-53, 2007. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/106/64. Acesso em: 29 set. 2017.

ESPINOZA, V. Redes sociales en el manejo de situaciones de crisis familiar. In: Congresso Chileno de Antropologia, 3., Temuco, 1998. Anais [...]. Temuco: CCA, 1998. p. 1078-1089. Disponível em:https://www.aacademica.org/iii.congreso.chileno.de.antropologia/134.pdf. Acesso em: 29 set. 2017.

FILOCREÃO, A. S. M. Agroextrativismo e capitalismo na Amazônia: as transformações recentes no agroextrativismo do Sul do Amapá. 2014. 541f. Tese (Doutorado em DesenvolvimentoSocioambiental) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

FILOCREÃO, A. S. M. A história do agroextrativismo na Amazônia amapaense. Macapá: UNIFAP, 2014.

GODBOUT, J. T. Introdução à dádiva. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 13, n. 38, p. 39-51, 1998.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, n. 91, p. 481-510, 1985.

MARTINS, J. S. O poder do atraso: Ensaios de sociologia da história lenta. São Paulo: Hucitec, 1994.

MARTINS, P. H. De Lévi-Strauss a M.A.U.S.S. - Movimento Antiutilitarista nas Ciências Sociais: itinerários do dom. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 66. p. 105-130, fev. 2008.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva: introdução de Claude Levi-Strauss. Lisboa: Edições 70, 2001.

MELUCCI, A. Accíon colectiva, vida cotidiana y democracia. México: El Colégio de México, 1999.

PORTES, A. Capital social: origens e aplicações na sociologia contemporânea. Revista Sociologia Problemas e Práticas, Lisboa, n. 33, p. 133-138, 2000.

RIBEIRO, A. C. Capital social e redes sociais no processo organizacional de comunidades agroextrativistas no Amapá. Tese. 293f. (Doutorado em Desenvolvimento Socioambiental) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2008.

RIBEIRO, M. S. Natureza e mercado: castanheiros, empresários e as economias de suas relações. Tese. 290f. (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

ROBLES MORALES, J. M. Bajo el signo de la moral. ¿Son útiles los incentives morales para explicar la acción colectiva? Revista Internacional de Sociologia, Córdoba, v. 65, n. 46, p 185-204, 2007.

SABOURIN, E. Dádiva e reciprocidade nas sociedades rurais contemporâneas. Revista Tomo, n. 7, p. 75-104, 2004. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/tomo/article/view/5244/4320. Acesso em: 03 out. 2017.

SABOURIN, E. Educação, dádiva e reciprocidade: reflexões preliminares. In: Jornal do Mauss Latino-Iberoamericano, ano 1, n. 4, 2008a.

SABOURIN, E. Marcel Mauss: da dádiva à questão da reciprocidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 66, p. 131-138, fev. 2008b.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SOUSA, W. P. A dinâmica dos sistemas de produção praticados em uma unidade de conservação de uso direto na Amazônia: a Reserva Extrativista do Rio Cajari no Estado do Amapá. 2006. 167f. Dissertação (Mestrado em Agriculturas Amazônicas) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Pará; Núcleo de Estudos Integrados sobre Agricultura Familiar, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Belém, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v22i3.5979

Flag Counter

Print ISSN: 1516-6481 – Eletrônica ISSN: 2179-7536