Logo do cabeçalho da página Agricultura Familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento

Gestão da fertilidade dos solos de uma localidade na Amazônia Oriental. A formalização dos pontos de vista dos agricultores visando um diálogo entre agricultores e agrônomos

Iran Veiga, Christophe Albaladejo

Resumo

Quais as percepções dos agricultores de uma localidade agrária da Amazônia oriental brasileira sobre a evolução das propriedades do meio que eles utilizam para a atividade agrícola? Como eles concebem suas intervenções técnicas para guiar ou se adaptar a estas evoluções? No que estas percepções, locais, contingentes, podem interrogar ou serem interrogadas pelos trabalhos de agrônomos sobre a 'fertilidade'?

As populações rurais da Amazônia. e sobretudo os agricultores, são objeto de inumeráveis estudos sobre suas relações a um território: uma agricultura familiar estável seria possível na Amazônia? Entretanto poucos se debruçaram sobre as diferentes concepções dessas relações ao território: entre o que fazem e pensam os agricultores no seu trabalho quotidiano e o que pensam e sugerem os agrônomos.

Propomo-nos, neste artigo, a representar de maneira compreensiva os modos de gestão agrícola do espaço de um lote de colonização por agricultores de uma localidade da Amazônia oriental brasileira. Empregaremos os termos e raciocínios utilizados pelos agricultores para representar as sucessões de culturas em um mesmo terreno e a organização destas a nível do lote. Esta análise possibilitará que nos interroguemos, em conclusão, sobre as possibilidades de criar pontes entre as concepções dos agricultores e dos agrônomos, de maneira a poder lançar um diálogo técnico sobre a gestão do espaço entre estes dois atores do desenvolvimento rural.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/raf.v1i3.4527

Apontamentos

  • Não há apontamentos.