Logo do cabeçalho da página Agricultura Familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento

Em busca de alternativas ao uso predatório dos recursos florestais na fronteira amazônica

Maria G. Muchagata, Socorro Ferreira, Vincent De Reynal, Sérvulo Barreto

Resumo

Neste trabalho, apresentamos a experiência do teste de comercialização da madeira, que levou dois anos entre o lançamento formal da proposta e sua concretização. O obejtivo desse teste era de sistematizar resultados que demonstrassem que a melhor maneira de se buscar a preservação da floresta seria justamente com uma maior valorização de seus produtos atraves do envolvimento direto dos agricultores no processo de transporte e comercialização. Para os pesquisadores do LASAT (Laboratório Sócio-Agronômico do Tocantins) trabalhar a questão da comercialização da madeira era importante não só porque poderia trazer ganhos econômicos aos agricultores, mas porque no futuro poderia envolver muitos destes nas atividades do progrma e dos sindicatos com uma repercusão a nível regional, possibilitando-lhes a participação de fato nas discurssões sobre as políticas referentes à gestão dos recursos naturais. O teste foi realizado na localidade de Josinópolis, Marabá, sitante 250km da sede do Municipio. As condições de realizado foram definidas entre lideranças locais, técnicos e direçãodo sindicato: as espécies comercializadas seriam mógno e cedro, bastante exploradas na Região, retiradas das áreas destinadas a implantação de roças naquele ano agrícola: incluiria 3 “carradas” de 10m³ de tora: os agricultores seriam responsáveis pela operação de retirada das toras até o cmainhão: o LASAT além de aomcpanhar de perto o trablho dos agrocultores, organizaria o frete e a comercialização. A realização do teste iniciou no final da estação seca, o que dificultou bastante a operação, encarecendo o transporte. Considerando-se todos os custos: preparo da madeira, fretes, deslocamentos de técnicos do LASAT à área e juros (5%), o resultado do teste foi economicamente defitário: receita referente a 37,42m³ de madeira em toras de R$ 3.624,00 e despesas totais de R$ 4.209,00. Considerando que a situação na qual trabalhamos foi totalmente atípica, em função da época e pouco tempo na sua preparação, o retorno aos agrocultores foi subsidiado: reduziu-se os custos com o frete para o que seria em condições normais, o que proporcionou umretorno aos agricultores de R$ 27,00/m³. O teste nos permintiu concluir que se não for oferecida outras alternativas para a comercialização/beneficiamento da madeira, os pequenos agricultores terão de continuar a se submeter aos quadro atual, em que são quase obrigados a se livrar de suas reservas florestais. Somente uma aliança com a sociedade mais ampla poderia reverter esse padrão e trazer mudanças indispensáveis para s epensar o manejo florestal, pois os agricultores darão mais atenção a mata quando esta trouxer maiores benefícios.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/raf.v1i1.4548

Apontamentos

  • Não há apontamentos.