Logo do cabeçalho da página Agricultura Familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento

A relação pesquisadores-agricultores. Diálogo, parceria, aliança? Uma análise estrutural

Jean Hébette

Resumo

Esta contribuição pretende analisar, de um ponto de vista teórico, os elementos de natureza sociológica que fundamentam e condicionam as relações entre pesquisadores e agricultores dispostos a colcaborar numa perspectiva de desenvolvimento rural. Não se trata de relações individuais de cunho puramente interpessoal, pois a reflexão se situa ao nivel estrutural das relações entre grupos sociais inseridos numa determinada sociedade, no casoequipes de pesquisa e organizações de agricultores. Essas categorias sociais são analisadas no contexto de seus respectivos interesses sócio-proficcionais que subtendem sua organização enquanto trabalhadores rurais e pesquisdores, isto é em termos de “classes” ou segmentos de classe hierarquizados dentro da estrutura social. Essa análise parte de duas experiências de colaboração em projetos de desenvolvimento rural em curso numa área de fronteira agrícolaque se estende ao longo da rodovia Transamazônica no Estado do Pará (Brasil). O estudo faz referência a conceitos frequentemente usados para caracterizar essas interrelações, ou seja: diálogo, parceria, aliança, procurando identificar o conteúdo e os condicionamentes desses diversos tipos de interação. Ele sugere a importência para os grupos em jogo, de se perceber que o sucesso de uma colcaboração não depende apenas de um bom relacionamento pessoal mas supõe uma percepção correta da posição das partes na estrutura social, assim como do contexto sócio-histórico dos principais sujeitos do desenvolvimento rural: os próprios agricultores. Conclui enfatizando a necessidade de flexibilidade dos modelos de intervenção que permita sua adaptação a cada contexto sócio-cultural.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/raf.v1i1.4549

Apontamentos

  • Não há apontamentos.