Nova Revista Amazônica

O “CAMINHO FUNDO”: hISTóRIA E SENTIDO DE PERTENÇA NA COMUNIDADE DO CIgANO, (TRACUATEUA-PA, ENTRE COLÔNIA, IMPéRIO E REPúBLICA)

Danilo Gustavo Silveira Asp, Fabrício Rodrigues dos Santos

Resumo

O texto aborda o processo histórico, permeando questões identitárias e de territorialidades, em meandros do movimento social e em torno da construção do sentido de pertencimento afrodescendente – remanescente de quilombolas – em comunidade rural, no interior do município de Tracuateua-PA., cidade limítrofe à Bragança, da qual emancipou-se em 1994. Geograficamente, está na Microrregião Bragantina, Nordeste Paraense – Amazônia oriental. Cronologicamente, entre Colônia, Império e República, estuda-se a trajetória de ocupação das terras, hoje reconhecidas pela Fundação Cultural Palmares (FCP), a partir de um dado espaço do sertão amazônico. Ainda é possível localizar um trecho do antigo “caminho fundo”: uma trilha por entre as matas, que de tanto os negros trafegarem por ali, o chão afundou-se. Na Comunidade do Cigano, distante cerca de 5 km da “sede” tracuateuense, assenta-se a Associação Remanescente Quilombola do Cigano (ARQUIC), presidida por Oscimar Hermínio Ribeiro, filho de Atanásia Hermínia Ribeiro, descendentes de negros cativos que fugiram da escravidão e se alojaram no território conhecido atualmente como Jurussaca e espraiaram-se pelos arredores circunvizinhos. Neste ínterim, múltiplos atores sociais engendraram suas vivências em contato com esse caminho: linhagens ameríndias, escravos, forros, libertos, livres, cafuzos, mamelucos, ciganos, ribeirinhos, caboclos, agricultores familiares, pescadores, caçadores. Enfim, à memória dos sujeitos, o contexto de ocupação do espaço abarca grande diversidade de
cenários naturais, mas igualmente paisagens antrópicas, palcos de diversificadas relações étnicorraciais e culturais: sertão amazônico, campos inundáveis, manguezais, praias, ilhas, matas, capoeiras; mas também sesmarias da coroa portuguesa, aldeias indígenas, mocambos, acampamentos ciganos, comunidades extrativistas e, finalmente, áreas de remanescentes “calhambolas”.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/nra.v6i1.6223

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia

UFPA - Campus Bragança

ISSN: 2318-1346

http://www.periodicos.capes.gov.br/?option=com_pmetabusca&mn=88&smn=88&type=p&sfx=aHR0cDovL2J1c2NhZG9yLnBlcmlvZGljb3MuY2FwZXMuZ292LmJyL1Y%2FZnVuYz1maW5kLWVqLTEmaW5zdGl0dXRlPUNBUEVTJnBvcnRhbD1OT1ZPJm5ld19sbmc9UE9S&sfxparam=nova+revista+amazonica 

https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp http://www.latindex.unam.mx/buscador/ficRev.html?opcion=1&folio=23023 http://road.issn.org/issn/2318-1346-nova-revista-amazonica-#.VAcguGNtzmd http://www.citefactor.org/journal/index/11370/nova-revista-amaznica#.VCoLqRa272k