Cabeçalho da página

EMERGÊNCIA DE LEITURA BRAILLE RECOMBINATIVA EM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Regiane de Souza Quinteiro, Elenice S. Hanna, Deisy das Graças de Souza

Resumo

 

O estudo investigou a aquisição de leitura de pseudopalavras em Braille e o desenvolvimento de leitura recombinativa. Quatro adultos alfabetizados, com deficiência visual adquirida, participaram de duas fases com seis ciclos ensino-teste. Cada fase ensinou 12 palavras. A composição das pseudopalavras ensinadas visou potencializar a leitura recombinativa: quatro vogais e quatro consoantes formaram 4 sílabas que ocuparam a posição inicial e final em igual número de palavras dissílabas. Ensinou-se em cada ciclo quatro discriminações condicionais auditivo-táteis entre pseudopalavras ditadas (A) e impressas em alfabeto romano em relevo (B) e duas entre pseudopalavras ditadas e impressas em Braille (C). Testes periódicos avaliaram novas relações de seleção (BC, CB, AC) e a leitura oral das palavras. Os participantes aprenderam as discriminações condicionais e formaram classes de equivalência entre as palavras ditadas e táteis (romano e Braille). Nos testes de seleção com palavras novas os escores foram maiores que 80%. Os participantes apresentaram leitura oral recombinativa acima de 75% de acertos com fonte 90 (Fase 1) e entre 41 e 79% de acertos com a fonte 40 (Fase 2). Os resultados replicaram e estenderam para estímulos em Braille as descobertas prévias de que o controle elementar por unidades intrassilábicas favorece a leitura recombinativa.

Palavras-chave: aquisição de leitura, equivalência de estímulos, leitura recombinativa, Braille, deficiência visual. 


Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rebac.v10i1.1541