Cabeçalho da página

DISCRIMINAÇÃO SIMPLES ENTRE ESTÍMULOS VISUAIS E REVERSÕES SUCESSIVAS DE DISCRIMINAÇÃO EM ABELHAS (MELIPONA QUADRIFASCIATA)

Antonio Maurício Moreno, Julia Zanetti Rocca, Deisy das Graças de Souza

Resumo

Com exceção dos estudos pioneiros de Isaías Pessotti sobre aprendizagem discriminativa em abelhas, outros trabalhos frequentemente empregaram procedimentos com características que dificultam o controle experimental rigoroso e uma interpretação segura dos dados (por exemplo, definição ambígua da resposta, treino simultâneo de vários sujeitos e análise de dados agrupados). Além disso, poucos estudos investigaram a aprendizagem discriminativa em outras espécies além de Apis mellifera e Bombus terrestris. O objetivo do Experimento 1 foi estabelecer discriminações simples entre cores e entre padrões em preto e branco em vinte abelhas individuais, da espécie Melipona quadrifasciata. No Experimento 2, o objetivo foi estabelecer discriminações simples e reversões de discriminação com quatro melíponas individuais em equipamento automatizado e pressão à barra como resposta operante. Todas as abelhas aprenderam a discriminar entre cores no Experimento 1, mas os dados de discriminação entre padrões em preto e branco mostraram grande variabilidade. No Experimento 2, as quatro abelhas aprenderam a discriminação inicial e também aprenderam entre uma e 11 reversões de discriminação. Os resultados de ambos os experimentos confirmam que melíponas podem aprender tarefas discriminativas, incluindo reversões sucessivas, mas também sugerem que os desempenhos podem variar consideravelmente a depender dos estímulos a serem discriminados.

Palavras-chave: discriminação simples, reversão de discriminação, estímulos visuais, abelhas, Melipona quadrifasciata 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rebac.v10i2.3481