Cabeçalho da página

EFEITOS DE PERDA DE REFORÇADORES SOBRE O SEGUIR REGRAS EM PARTICIPANTES FLEXÍVEIS E INFLEXÍVEIS

Ana Rachel Pinto, Carla Cristina Paiva Paracampo, Luiz Carlos de Albuquerque

Resumo

Com o objetivo de verificar se participantes inflexíveis apresentam maior probabilidade de seguir regras do que participantes flexíveis, quando o seguir regras produz perda de reforçadores, onze estudantes universitários, previamente classificados de flexíveis (n=6) e de inflexíveis (n=5), foram expostos a um procedimento informatizado de escolha de acordo com o modelo; a tarefa era apontar cada um dos três estímulos de comparação em uma dada sequência. As sequências corretas evitavam e as incorretas produziam a perda de reforçadores. O experimento consistia de três fases. A Fase 1 era iniciada com uma instrução mínima, a Fase 2, com uma instrução correspondente às contingências e a Fase 3, com uma instrução discrepante das contingências. Na Fase 1 (linha de base), nenhuma sequência era punida. O seguimento de instrução evitava a perda de reforçadores na Fase 2 e produzia a perda de reforçadores na Fase 3. Todos os 11 participantes seguiram a instrução na Fase 2 e 10 (5 flexíveis e 5 inflexíveis) dos 11 participantes deixaram seguir a instrução na Fase 3. Os resultados sugerem que o seguimento de instruções tende a ser abandonado quando produz perda de reforçadores, independentemente de se o participante é classificado de flexível ou de inflexível. Palavras-chave: Regras e contingências, perda de reforçadores, participantes flexíveis e inflexíveis, histórias pré-experimentais


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rebac.v4i1.846