Cabeçalho da página

AVALIAÇÃO DO JOGO MUZAMBA NA CAÇAMBA NO ENSINO DE REGRAS DE DESCARTE DE RESÍDUOS

Raquel Neves Balan, Verônica Bender Haydu, Dara Kawany Silva Sobreira, Giovanna Jangarelli Santini, Mariany Puerta Pereira, Marcela Roberta Jacyntho Zacarin

Resumo

A programação de contingências de ensino para promover a aprendizagem de comportamentos pró-ambientais pode ser realizada por meio de diversos instrumentos, incluindo os jogos educativos. Este estudo avaliou: (a) a eficácia do jogo Muzamba na Caçamba no ensino de regras de descarte de resíduos sólidos, (b) o engajamento promovido pelo jogo e sua usabilidade. Dezoito escolares participaram de três etapas do procedimento: (a) avaliação pré-intervenção com o Teste de Ligar, o jogo avaliativo Tapa Certo e uma entrevista semi-estruturada realizada com os responsáveis dos participantes; (b) uma sessão de intervenção com o jogo Muzamba na Caçamba; (c) avaliação pós-intervenção com os mesmos instrumentos da avaliação pré-intervenção. A comparação dos resultados do Teste de Ligar e do jogo avaliativo Tapa Certo entre pré e pós-intervenção demonstrou que 7 e 15 dos 18 participantes apresentaram, respectivamente, aumento no número de respostas corretas. Com relação ao engajamento, verificou-se que 10 dos 18 participantes emitiram comportamentos de aprovação do jogo, dois demonstraram desaprovação e nenhum participante solicitou a interrupção das jogadas. Quanto à usabilidade do jogo verificou-se que apenas 4 dos 18 participantes solicitaram ajuda e três fizeram mais do que duas perguntas sobre as regras do jogo. O baixo desempenho dos participantes no Teste de Ligar foi provavelmente devido às condições de aplicação do teste. Conclui-se que o jogo Muzamba na Caçamba demonstrou ser um instrumento que promove a aprendizagem de regras de descarte de resíduos sólidos, que apresenta usabilidade e promove o engajamento dos participantes.

Palavras-chave: Resíduos sólidos; reciclagem análise do comportamento; jogo educativo; adolescentes.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rebac.v16i1.8884