Cabeçalho da página
<p><span><br /></span></p><p><span>Imagem da capa:</span></p><p><span>Autor: Alan Crhistian Alvão</span></p><p><span>Título: Pescadores artesanais de rede escorada (estacada), Pará, Brasil</span></p>

CONHECIMENTO POPULAR SOBRE VESPAS SOCIAIS (HYMENOPTERA, VESPIDAE) NAS COMUNIDADES DO ENTORNO DO REFÚGIO DA VIDA SILVESTRE DO RIO PANDEIROS, NORTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Danielle Cristina de Pádua, Marcos Magalhães de Souza, Ângela Gomes Brunismann, Evando Luiz Coelho, Epifânio Pires

Resumo

Os insetos possuem interesse socioeconômico em diferentes sociedades humanas em função da sua contribuição na polinização, controle biológico e alimentação humana. A ordem Hymenoptera, especificamente, inclui formigas, abelhas e vespas sociais e solitárias. As vespas sociais, popularmente conhecidas por marimbondos, comumente têm suas colônias destruídas por humanos pelo temor a possíveis ataques. Apesar da sua relevância social e ecológica, há poucas informações etnoentomológicas sobre esses insetos no Brasil. No intuito de obter maiores informações acerca do conhecimento popular sobre esses insetos, realizou-se um estudo em quatro comunidades (Vila Pandeiros, Barra de Mandins, Quilombo e Angico) localizadas no entorno do Refúgio da Vida Silvestre do Rio Pandeiros, município de Januária, norte do Estado de Minas Gerais. Os dados foram obtidos no período de junho de 2014 a maio de 2015 por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas com 37 mulheres e 17 homens, cujas idades variaram de 18 a 85 anos. Os resultados indicam que a população amostrada conhece várias etnoespécies de marimbondos. No entanto, os entrevistados possuem pouco ou nenhum conhecimento sobre a importância desses insetos, considerando-os irrelevantes ou um incômodo. Nota-se a urgência de ações de educação ambiental que permitam uma mudança comportamental para uma convivência mais tolerante com os marimbondos.


Palavras-chave

Conhecimento Empírico; Conservação; Etnoentomologia; Interação; Marimbondos


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ethnoscientia.v2i1.10184

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Ethnoscientia

             

ISSN 2448-1998