Cabeçalho da página

INVESTIGANDO O CONHECIMENTO ETNOHERPETOLÓGICO DOS CAFEICULTORES SOBRE AS SERPENTES DO MUNICÍPIO DE INCONFIDENTES, MINAS GERAIS

Brenda Silva Lima, Marcos Magalhães de Souza, Nilton Luiz Souto, Ana Bárbara Barros

Resumo

A relação entre homens e serpentes se demonstra estreita desde os tempos mais antigos, e devido às crenças atribuídas a esse grupo ela se tornou conflituosa e, na maioria das vezes, resulta na supressão desses animais na natureza. Sabendo que a humanidade busca identificar e categorizar os diversos grupos biológicos do planeta, a etnoherpetologia traz um estudo mais específico e delimita seu enfoque ao conhecimento, utilização, classificação e convivência com os répteis. Por isso, o presente estudo investiga o conhecimento sobre as serpentes por parte dos produtores rurais do município de Inconfidentes, localizado no sul do Estado de Minas Gerais. Os dados foram obtidos por meio de questionários estruturados nos meses de agosto de 2016 a agosto de 2017, aplicados em bairros de zona rural do município, totalizando 38 cafeicultores. Foram relatadas crenças e percepções atribuídas às serpentes, bem como de algumas etnoespécies foram registrados  dados ecológicos e comportamentais. Percebeu-se uma estreita relação da comunidade com as serpentes, entretanto, como pressuposto, a relação se mostra conflituosa, fazendo-se necessárias ações que busquem reverter essa situação. Sabe-se que as serpentes desempenham um efetivo papel ecológico nos ecossistemas em que estão inseridas, portanto, o presente estudo contribui para conscientização e preservação das serpentes, podendo ainda reduzir a subtração desses animais no ambiente natural.


Palavras-chave

Etnoherpetologia; Etnozoologia; Répteis; Conhecimento popular; Educação ambiental


Texto completo:

Lima et al. 2018


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ethnoscientia.v3i0.10195

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ethnoscientia

             

ISSN 2448-1998