Cabeçalho da página

Estágio supervisionado: compartilhando as experiências e os desafios para o ensino de Química no Amazonas

Leiliane de Almeida Freitas, Ercila Pinto Monteiro

Resumo

Esta pesquisa relata a importância dos estágios e do projeto de intervenção na formação dos professores, e, para tal, compartilha experiências dos Estágios Supervisionados de I ao IV realizados na Escola Estadual Alexandre Montoril/Amazonas. O desafio de se tornar um professor de Ciências na região amazônica requer do licenciando propostas inovadoras que superem ausência de recursos didáticos, normalmente, não disponíveis nas escolas. Assim, considerando as particularidades regionais, foi realizado um projeto de intervenção a partir da vivência dos estágios da licenciatura Biologia/Química que apresenta como recurso didático pigmentos naturais extraídos de frutas típicas da região. O trabalho envolveu vinte (20) alunos do 2º ano do Ensino Médio e se concretizou por meio da relação dos conceitos científicos com o universo amazônico. Das atividades propostas com os pigmentos, estão quatro (4) experimentos, sendo eles: dois (2) de indicador natural, um (1) sopro químico e um (1) de cromatografia. Em geral, os resultados desta pesquisa mostram que os extratos aquosos de pigmentos da Amazônia se apresentam como um recurso didático inovador e estratégico nas aulas de Química, porque os alunos previamente já apresentam conhecimentos culturais referentes às frutas da região. Neste contexto, os experimentos se tornaram “instrumentos facilitadores” para apropriação dos conceitos científicos e fundamentais para o processo de ensino-aprendizagem.


Palavras-chave

ensino de química; recurso didático; aulas experimentais


Texto completo:

PDF

Referências


AIKENHEAD, G. Toward a first nations cross-cultural Science and Technology Curriculum. Science Education, 81(2), 1997, p. 217-238.

ARRUDA, A. C. A. Química na Região Norte. Química Nova, 20 (especial), 1997.

BACHELARD, G. Os pensadores (a filosofia do não, o novo espírito científico, a poética do espaço), São Paulo: Abril cultural, 1978, p. 3-10.

BARBOSA, E. e BULCÃO, M. Bachelard - pedagogia da razão, pedagogia da imaginação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004, 102p.

BEJARANO, N.R.R. e CARVALHO, A.M.P. Educação química no Brasil: uma visão através das pesquisas e publicações da área. Educación Química, v. 11, 2000.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 7ª ed., São Paulo: Perspectiva, 2013.

BOURDIEU, P. e PASSERON, J.C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 7ª ed., Petrópolis-RJ: Vozes, 2014, 275p.

BOURDIEU, P. Una invitación a la sociología reflexiva. 2ª ed., Buenos Aires: Siglo Veintuino editores, 2012, p. 64-76.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais + Ensino médio. Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica Brasília: SEMTEC, 2002.

BRITO, A.C.F., ALMEIDA, A.C.B., BEZERRA, I.A.R. e SILVIA, N.C. Utilização do extrato de açaí (Euterpe Oleracea Mart.) como indicador ácido-base natural no ensino de química. In: Anais do 51º Congresso Brasileiro de Química, São Luís-Maranhão, 2011.

CARVALHO, A.M.P. e DARSIE, M.M.P. O inicio da formação do professor reflexivo. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 22, n. 2, 1996, p. 90-108.

COBERN, W.W. e AIKENHEAD, G. Cultural aspects of learning Science. Scientific Literacy and Cultural Studies Project, 13, 1997.

CONTRERAS, J. A autonomía de profesores. São Paulo: Cortez, 2002, 296p.

COSTA, T.O.G. e MESQUITA, D.W.O. Química na praça no Município de Parintins-Am. In: Anais do XV Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ), Brasília, 2010.

COUTO, A.B.; RAMOS, L.A. e CARVALHO, E. T. Aplicação de Pigmentos de flores no ensino da química. Química Nova, 21 (2), 1998.

CRESWELL, J.W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2ª ed., Porto Alegre: Artmed, 2007, 248p.

EVANGELISTA, Y.S.P. e CHAVES, E.V. Ensino da Química: Metodologias utilizadas em temas transversais. Sistema de Gerenciamento de Conferencia (OCS), Anais do V CONNEPI, 2010, p. 2.

GADOTTI, M. Interdisciplinaridade, atitude e método. USP: Instituto Paulo Freire, 1999.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. São Paulo: Perspectiva, v.14, n.2, 2000.

HERNÁNDEZ, F. e VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. 5ª ed., Porto Alegre: Artmed, 1998.

HINES, S.M. Multicultural Science Education-Theory, Practice, and Promise. New York: Peter Lang, 2003, 217p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Estimativa populacional do município de Coari-AM. Publicado em 2010. http://Acesso cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=130120 Acesso em: 15 de Setembro de 2016.

JAPIASSÚ, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JOHWAN, O.A., BASSO. A.S. e OLIVEIRA. G.B. A importância da Educação do processo do desenvolvimento local sustentável do município de Curitiba. UNIFAE, 2005.

LIMA, K.E.C. e TEIXEIRA, F.M. A atividade experimental como estrutura para o ensino de ciências naturais no CECINE nos anos de 1960 e 1970. In: Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – ENPEC, Florianópolis-SC, Anais ISSN: 1809-5100, 2017, p. 1-18.

LUGLE, A.M.C. e MAGALHÃES, C. O papel do estágio na formação do professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Eletrônica das Licenciaturas/UEL, 4ª edição, n. 4, v. 1, 2013, p. 119-128.

MILANESI, I. Estágio Supervisionado: Concepções e práticas em ambientes escolares. Educar em Revista, n. 46, 2012, p. 209-227.

MONTEIRO, E.P.; SILVIA, A.G. e NASCIMENTO, M.C. (2014). Estudo do extrato aquoso da casca da Bacaba (Oenocarpus bacaba Mart.) como indicador natural ácido-base. Latin American Journal of Science Education, v.1, edição 12012, 2014, p. 1-11.

MORIN, E. e PRIGOGINE, I. A sociedade em busca de valores. Para fugir à alternativa entre o ceticismo e o dogmatismo. Instituto Piaget: Epistemologia e Sociedade, 1996, 264p.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 4ª edição. Porto Alegre: Sulina, 2011, 120p.

OLIVEIRA, A.C.S., FREITAS, V.A.A., MARTINEZ, A.G., CAMPOS, V.R., SANTOS, V.O. e BARROS, I.C.L. Experimentação de Química voltada para o Ensino Médio em eventos científicos na cidade de Manaus. In: Anais do XV encontro Nacional de ensino da Química (ENEQ), Brasília-DF, 2010.

OLIVEIRA, J.R.S. Contribuições e abordagens das atividades experimentais no ensino de ciências: reunindo elementos para a prática docente. Acta Scientiae, v.12, n. 1, 2010, p. 139-153.

PADILHA, R. P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2001.

PIMENTA, S.G. e LIMA, M.S.L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

PIMENTA, S.G. Formação de professores- saberes da docência e identidade do professor. Nuances, v. III, 1997, p. 5-14.

POZO, J.I. e CRESPO, M.A.G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SOARES, E.R. e COSTA, T.O,G. PIBID: Química contribuindo para a evolução do processo ensino-aprendizagem nas escolas públicas em Manaus/Am. In: Anais do XV Encontro Nacional de ensino da Química (ENEQ), Brasília-DF, 2010.

SOARES, R.T.C.; LIMA, M.E.C.C. e QUADROS, A.L. Importância e dificuldades do estágio curricular obrigatório. Minas Gerais: UFMG, 2007 (Monografia, Faculdade de Educação).

STENHOUSE, L. Investigación y desarrollo del curriculum. 1ª ed., editora Morata S.A. Colección, 1984, p. 194-221.

TAHA, M.S.; LOPES, C.S.C.; SOARES, E.L. e FOLMER, V. Experimentação como ferramenta pedagógica para o ensino de ciências. Experiências em ensino de ciências, v. 11, n. 1, 2016, p. 138-154.

TEIXEIRA, A.F. e MONTEIRO, D.D. Ensino de Química contextualizado através da mediação Tecnológica. In: Anais 1º Congresso Paranaense de Educação em Química – CPEQUI, Londrina-Paraná, Universidade Estadual de Londrina, 2009.

ZABALA, A. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: ARTMED, 2002.

ZUANON, A.C.A. O processo ensino – aprendizagem na perspectiva das relações entre: professor-aluno, aluno-conteúdo e aluno-aluno. Revista Ponto de Vista, 3 (X), 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v15i33.6049

Direitos autorais 2019 Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Creative Commons License