Page Header

DO TAMBOR AO “TRABALHO”: ALGUNS ESBOÇOS SOBRE OS ASPECTOS DE EXUS E POMBAGIRAS EM UM TERREIRO DE MINA NO NORDESTE PARAENSE

Victor Lean do ROSÁRIO (UFPA), Rachel Oliveira de ABREU (UEPA), Carla Figueiredo Marinho SALDANHA (UEPA)

Abstract

Este artigo tem por objetivo apresentar aspectos referente as simbologias dos Exus e Pombagiras no Terreiro Mina Nagô Cabocla Mariana e Tapinaré das Matas, na cidade de Igarapé-Açu, nordeste paraense. Metodologicamente esta pesquisa foi construída a partir de um esboço etnográfico, tendo a observação participante e o diálogo contínuo com as entidades um ponto fundamental. A partir da exposição dos códigos culturais do “Terreiro” durante o artigo, percebe-se que a título de (in)conclusão, os Exus e Pombagiras ressignificam suas simbologias, (re)criando novas identidades, experiências e (r)existências dentro do corpo umbandista, relacionando e revendo a aproximação entre o mundo sobrenatural e o social.

Palavras-chaves: Simbologia. Exus e Pombagiras. Identidades.

 

FROM DRUM TO “WORK”: SOME OUTLINES ABOUT THE ASPECTS OF EXÚS AND POMBAGIRAS IN A MINE TERRESTOR IN NORTHEAST OF PARÁ

Abstract: This article aims to present aspects referring to the symbols of the Exus and Pombagiras in the Terreiro Mina Nagô Cabocla Mariana and Tapinaré das Matas, in the city of Igarapé-Açu, northeast of Pará. Methodologically this research was built from an ethnographic outline, with participant observation and continuous dialogue with the entities a fundamental point. From the exposure of the cultural codes of the “Terreiro” during the article, it is clear that as a (in) conclusion, the Exus and Pombagiras resignify their symbologies, (re) creating new identities, experiences and (r) existences within the umbanda body, relating and reviewing the approximation between the supernatural and the social world.

Keywords: Symbology. Exus and Pombagiras. Identities.


References


ABREU, Rachel de Oliveira. & ROSÁRIO, Victor Lean do. “Seu Tranca Rua que é dono da gira”: Uma análise antropológica sobre Exus e Pombagiras no Terreiro Mina Nagô Cabocla Mariana e Tapinaré das Matas, nordeste paraense. Religare, v.17, n. 2, dezembro de 2020, pp. 537-562.

BARROS, Mariana Leal de. “Os deuses não ficarão escandalizados”: ascendência e reminiscências de femininos subversivos no sagrado. Estudos Feministas, Florianópolis, 21(2): 336, maio-agosto, 2013, pp.509-534.

______________. “Labareda, teu nome é mulher”: análise etnopsicológica do feminino à luz de Pombagiras. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto: 2010.

BARROS, Mariana Leal de. & BAIRRÃO, José Francisco Miguel Henriques. Performances de gênero na umbanda: a pombagira como interpretação afro-brasileira de “mulher”? Rev. Int. Estu. Bras., Brasil, n.62, dez., 2015, pp.126-145.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia: rito Nagô. 3° ed. São Paulo: Nacional, 1978.

BIRMAN, Patrícia. Transas e transes: sexo e gênero nos cultos afro-brasileiros, um sobrevôo. Estudos feministas, Florianópolis, 13(2): 256, maio-agosto, 2005.

BRITO, Wesley Martins de. Os “Trabalhos” de cura na umbanda: Um ensaio etnográfico no “Terreiro Mina Nagô Cabocla Mariana e Tapinaré das Matas”, Igarapé-Açu, nordeste paraense. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências Sociais). Universidade do Estado do Pará: Igarapé-Açu, 2019.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o Poder Simbólico In: O poder Simbólico. Trad. Fernando Tomas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CAMPOS, Alessandro Ricardo Pinto. Cultura material dos terreiros: Um estudo sobre a coleção etnográfica afro-brasileira da Universidade Federal do Pará. Disertação (Mestrado). Universidade Federal do Pará. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 2014.

CSORDAS, Thomas. Corpo/significado/cura. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2008.

CRUZ, Ana Carolina Dias. Quantas cabeças tem Exu? Representações sociais sobre o povo de rua em terreiros de Umbanda no Rio de Janeiro, 2013. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

DaMATTA, Roberto. Carnavais, paradas e procissões In: Carnavais, malandros e heróis: Para uma sociologia do dilema brasileiro. 6° ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

______________. O ofício do etnólogo ou como ter “anthropological blues” In: NUNES, E. (Org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

DESLANDES, Suely Ferreira. O projeto de pesquisa como artesanato intelectual In: DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28° ed. Petrópolis. RJ: Vozes, 2009, pp. 31-60

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. Trad. Mônica Siqueira Leite Barros; Zilda Zakia Pinto. 2° ed.: São Paulo: Editora Perspectiva, 2012.

ECKERT, Cornelia & ROCHA, Ana Luiza da. Imagem recolocada: pensar a imagem como instrumento de pesquisa e análise do pensamento coletivo. Iluminuras, Rio Grande do Sul, v. 2, n. 3, 2001, pp. 2-13

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

EVANS-PRITCHARD, Evan E. Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azandes. Tradução Viveiro de Castro. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2005.

FRY, Peter. Homossexualidade masculina e cultos afro-brasileiros In: Para Inglês Ver. Rio de Janeiro, ZAHAR, 1982, pp. 54-73.

_______________. Feijoada e soul food: Notas sobre a manipulação de símbolos étnicos e nacionais In: Para inglês ver. Rio de Janeiro, ZAHAR, 1982, pp. 47-53.

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Tradução: Vera Ribeiro. 4° ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2018.

LAGES, Sônia Regina Corrêa. Exu – luz e sombra. Uma análise psico-junguiana da linha de Exu na umbanda. Juiz de Fora: Clio Edições eletrônicas, 2003.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. 2° ed. Tradução de Sônia M.S. Fuhrmann. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Tradução: Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Tradução dos artigos: Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LUCA, Taíssa Tavernard; NETO, Manuel V.; PANTOJA, Juscelino M. Catolicismo afro-amazônico: uma análise do simbolismo da morte na procissão do Senhor dos Passos em Belém/PA. OBSERVATÓRIO DA RELIGIÃO. Belém, v.3, n.1, 2016, pp. 49-75.

MARQUES, Roberto. Usos do som e instauração de paisagens sonoras nas festas de forró eletrônico. ILHA, v.13, n.2, jul./dez. 2012, pp.249-28.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MOTTA, Roberto. Le sacrifice, la table et la fête. Les aspects “néo-antiques” de la liturgie du candomblé brésilien. Paris, 1998.

NOVAES, Sylvia Caiuby. Entre a harmonia e a tensão: as relações entre antropologia e imagem. Revista Anthropológicas, ano 13, vol. 20, 2009, pp.9-26.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O Trabalho do antropólogo: olhar, ouvir e escrever In: O trabalho do antropólogo. São Paulo: Unesp, 2000.

PEREIRA, Anabela. Da corporeidade entre corpos: liminaridade vs continuum na performance. Estudos Aplicados, 2014, pp. 102-106.

PINTO, Tiago de Oliveira. Som e música: questões de uma antropologia. Revista USP, São Paulo, USP, v. 44, n.1, 2001, pp. 221-286.

PRANDI, Reginaldo. Exu, de mensageiro a diabo: sincretismo católico e demonização do Orixá Exu. REVISTA USP. São Paulo, n.50, junho/agosto 2001, p. 46-63.

____________. Coração de Pombagira. Revista Esboços, Volume 17, n° 23, 2010, pp.141-149.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Exu do Brasil: tropos de uma identidade afro-brasileira. Revista de antropologia, São Paulo, USP, v.55, n° 12, 2012, pp. 1085-1114.

____________. O antropólogo e sua magia: Trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. 1° ed., 2° reimpressão – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

TRINDADE, Liana. Exu, poder e perigo. São Paulo. Ícone, 1985.

TURNER, Victor. O processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Tradução de Nancy Campi de Castro. Petrópolis: Vozes, 1974.

VAN GENNEP, Arnold. Os ritos de passagem. 2. ed., Trad. Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 2011.

VERGER, Pierre Fatumbi. Lendas africanas dos Orixás. [ilustrações] Carybé; tradução Maria Aparecida da Nóbrega. 4° ed. Salvador: Corrupio, 1997.

____________. Orixás. Deuses Iorubás na África e no novo Mundo. 5° ed. Salvador: Corrupio, 1999.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. Tradução Marcela Coelho de Souza e Alexandre Morales. São Paulo: Cosac Naify, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rmi.v15i24.10081

Copyright (c) 2021 Victor Lean do Rosário

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Indexing for:

 

 

Impact Factor 1.54


 Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

Federal University of Pará - Abaetetuba Campus - EditorAbaete

Post-Graduate Program in Cities, Territories, and Identities (PPGCITI)

ISSN: 1806-0560 e-ISSN: 1982-5374

DOI: https://dx.doi.org/10.18542

         

Free counters!