Logo do cabeçalho da página Revista Margens Interdisciplinar

DESAFIOS DA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E AS PRÁTICAS DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR

Luis Carlos Pais, Marilena Bittar, José Luiz Magalhães de Freitas

Resumo

O objetivo deste texto é descrever uma análise de alguns desafios atuais da formação de professores de Matemática para a Educação Básica e, mais
especificamente, as práticas e os saberes característicos das culturas escolares e universitárias. Esta análise foi conduzida a partir do pressuposto que existe uma grande diferença entre as práticas cultivadas nos anos de estudos universitários, no contexto dos cursos de licenciatura, e aquelas que caracterizam as tarefas escolares da educação básica. Trata-se de uma tentativa de debater a expansão qualitativa da formação profissional docente cuja superação exige a articulação entre as culturas universitárias e escolares. De modo geral, esta questão não tem sido levantada nos cursos de licenciatura de Matemática e persiste velada, como se a natureza das
práticas escolares quase nada tivesse em comum com os estudos  universitários, a não ser a condicionante do domínio de conteúdos específicos. Assim, para desenvolver o objetivo proposto são destacados aspectos específicos da Matemática escolar, procurando não perder de vista o conjunto das disciplinas escolares. Trata-se de realçar aspectos metodológicos específicos do ensino da Matemática escolar em sintonia com a formação vivenciada nas instituições acadêmicas. O estudo dessa questão é conduzido com base na teoria da transposição didática e, mais amplamente, na abordagem antropológica do estudo escolar, proposta pelo educador matemático francês Yves Chevallard e compartilhada pelos seus parceiros pesquisadores. Uma análise de discurso foi realizada em um conjunto de unidades retiradas dos textos originais, as quais foram
projetadas na realidade educacional brasileira. A realização deste estudo permitiu identificar a existência de uma distância considerável entre práticas docentes escolares e aquelas pertinentes aos saberes acadêmicos, abrindo uma espécie de vácuo entre os saberes escolares e as práticas vivenciadas nos cursos de formação docente. Uma das consequências desse problema é o predomínio, no cotidiano escolar, de aspectos mais instrucionais do que educativos. Isso pode ser comprovado por meio da identificação de aspectos disciplinares e didáticos, onde as estratégias metodológicas são quase sempre confundidas com a formalização textual do saber matemático.

Palavras-chave: Formação docente. Práticas escolares. Educação matemática.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rmi.v7i8.2744

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados à Revista Margens Interdisciplinar - ISSN: 1982-5374

Universidade Federal do Pará - Campus Universitário de Abaetetuba - Editora Campus de Abaetetuba