Logo do cabeçalho da página Revista Margens Interdisciplinar

ETNOMATEMÁTICA VERSUS MATEMAFOBIA

Josenilson de Souza Santos, Sebastião Martins Siqueira Cordeiro

Resumo

A dificuldade na realidade do ensino-aprendizagem da matemática nas
escolas públicas vem crescendo de forma exponencial ao longo dos anos. A caracterização da matemática como ciência exata e abstrata direcionou o processo de ensinoaprendizagem dela a um restrito domínio de técnicas para operar mecanicamente símbolos. A História nos mostra que ela é produto da atividade humana e surgiu da necessidade do homem entender o meio sociocultural em que está inserido. A ideia de abordar a matemática como ciência exata e abstrata, engendrou nos alunos um sentimento de “matemafobia” (medo, aversão, antipatia à matemática). Através de intervenções em algumas escolas públicas de Abaetetuba com oficinas e palestras sobre Etnomatemática em sala de aula, objetivamos despertar os educadores para necessidade de repensar o espaço de sala de aula, buscando transformar alunos em seres críticos, criativos, participativos e transformadores de suas realidades, respeitando suas crenças, costumes e culturas.

Palavras-Chave: Etnomatemática. Educação. Matemática. Discente.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/rmi.v7i8.2765

Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados à Revista Margens Interdisciplinar - ISSN: 1982-5374

Universidade Federal do Pará - Campus Universitário de Abaetetuba - Editora Campus de Abaetetuba