Cabeçalho da página

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE BIOLOGIA E A LEITURA SEMIOLÓGICA DE CARTUNS DA REVISTA CIÊNCIA HOJE DAS CRIANÇAS

Paulo Cesar Gomes, Alexandra Bujokas de Siqueira

Resumo

A formação de professores no Brasil vem passando por contínuas e complexas transformações e têm, cada vez mais, exigido posturas atreladas ao nosso tempo. Formar jovens professores para que compreendam mensagens – de quaisquer naturezas – de forma crítica está previsto, enquanto competência profissional, em documento internacional da UNESCO, contudo, o desenvolvimento desta, remete a uma reestruturação curricular nos cursos de licenciatura em todo o país. Os cursos de licenciatura tem repertório docente para a compreensão de competências voltadas à Alfabetização Midiática e Informacional (AMI), como proposto pela UNESCO? Nossos objetivos neste trabalho de pesquisa foram: (a) investigar e apresentar concepções de professores em formação acerca de um cartum publicado em suplemento da Revista Ciência Hoje das Crianças voltado ao público infanto-juvenil e (b) apresentar uma análise semiológica estrutural de elementos imagéticos constante do mesmo cartum a partir do referencial teórico barthesiano. Os resultados sugerem que: (a) licenciados e licenciandos realizaram, em sua maioria, uma leitura sem profundidade do cartum apresentado; (b) o cartum, de modo geral, realiza por si mesmo uma “leitura de sociedade” tal qual a visão do autor que o produziu.


Palavras-chave

Semiologia; Imagem; Cartum.


Texto completo:

PDF

Referências


BANKS, M. Dados visuais para a pesquisa qualitativa. Porto Alegre: ArtMed, 2009. 176p.

BARBOSA, G. G.; RABAÇA, C.A.; Dicionário de comunicação. São Paulo: Ática. 1998.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso. Lisboa: Edições 70, 2015.

_________. A aventura semiológica, São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_________. A Câmera Clara, Porto: Edições 70, 2010.

_________. Elementos de Semiologia, Porto: Edições 70, 2005.

_________. Inéditos. Imagem e Moda - Volume 3, São Paulo: Martins Fontes, 2005.

_________. O sistema da moda, São Paulo: Martins Fontes, 2009.

_________. Le texte et l’image. [Paris], Pavillon des arts, 7 mai-3 août, 1986. [Paris]

BELL, Philip. Content analysis of visual images. In: VAN LEEUWEN, Theo & JEWITT, Carey. The handbook of visual analysis (pp. 10-34). London: SAGE Publications Ltd., 2004.

BENJAMIN, Walter. Estética e sociologia da arte. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BNCC. Base Nacional Curricular Comum. Ministério da Educação, 2017. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf Acesso em 20.01.2018.

CAMPOS, Maria Teresa Cardoso de. O homem é um animal que cria códigos. E-COM (Belo Horizonte), v. 2, p. 1-3, 2008.

CAMPOS, Maria Teresa Cardoso de; SALLES, Vanessa Madrona Moreira; FONSECA, Marília Lima; FIGUEIREDO, Daniel Fortes de. Argumentação ética: campanha educativa do Jornal do ônibus. Revista de Estudos da Comunicação, v. 10, p. 85-90, 2009.

CAMPOS, Maria Teresa Cardoso de; SALLES, Vanessa Madrona Moreira; FONSECA, Marília Lima; FIGUEIREDO, Daniel Fortes de. Uma leitura semiológica: campanha educativa do Jornal do Ônibus. E-COM (Belo Horizonte), v. 2, p. 1 n.5, 2009.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

COELHO DE SOUZA, Marcela. A vida material das coisas intangíveis. Em: Conhecimento e cultura: práticas de transformação no mundo indígena. pp.97-118. Brasília: Athalaia, 2010.

CORRÊA, Mariana Rocha Amarante. Divulgação científica na internet: um estudo de caso sobre a Ciência Hoje das Crianças Online. 2015. 148p. Dissertação de Mestrado. (Mestre em Ensino em Biociências e Saúde). Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro.

GOUVÊA, Guaracira. A Divulgação Científica para Crianças: O caso da Ciência Hoje das Crianças. 2000. p.305. Tese (Doutorado em Educação Gestão e Difusão Em Biociências). Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2000.

GOUVÊA, Guaracira. A revista Ciência Hoje das Crianças e práticas de leituras do público infantil. Em: MASSARANI, L. (Organiz.) O pequeno cientista amador: a divulgação científica e o público infantil. Rio de Janeiro: Vieira e Lent. 2005. p. 47-57.

GOUVÊA, Guaracira. Redes cotidianas e os museus de ciências. Parcerias Estratégicas. Brasília, n. 11, p.169-174, 2001.

JOLY, Martine. A imagem e os signos. Lisboa: Edições 70, 2005.

LEAL P.H.; REALI, A.M.M.R.; Indicadores de desenvolvimento profissional da docência: construção, avaliação e usos. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 26, n. 61, p. 82-122, jan./abr. 2015.

MASSARANI, Luísa. Reflexões sobre a divulgação científica para crianças. Em: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 22, 1999. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Intercom, p.1-5, 1999.

MEC. Ministério de Educação e Cultura. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1998b.

MEC. Ministério de Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 126p. 1998a.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-210, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C.; Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

__________. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2016, 264p.

OLÍMPIO. Ana Filipa Pereira Miguel. Uma caricatura de país. (Mestrado em Desenho). 2013. Universidade de Lisboa. Faculdade de Belas Artes.

OLIVEIRA NEVES, Lino João de. Volta ao começo: demarcação emancipatória de terras indígenas no Brasil. Universidade de Coimbra, 2012. Tese.

PEREIRA, Ana Rita Rodrigues. “C de capitalismo é análogo do C de cartoon”: uma análise de conteúdo de cartoons. 2015. Dissertação de Mestrado. (Mestrado em Sociologia). Universidade do Porto. 196p. Universidade do Porto – UP. Porto, Portugal, 2015.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ROSE, Gillian. Visual methodologies: an Introduction to the Interpretation of visual materials. London: SAGE, 2002. 229p.

SANTOS, I. A. dos. A responsabilidade da escola na eliminação do preconceito racial: alguns caminhos. In: CAVALLEIRO, E. (Org.).Racismo e anti-racismo na educação. São Paulo: Summus, 2001. p. 97-114.

SHAW, M Matthew J. Drawing on the collections. Journalism Studies, 8 (5), 742–754. 2007.

SIQUEIRA, Alexandra Bujokas de. Mídia-educação na formação de professores: a experiência da Universidade Federal do Triângulo Mineiro a partir da proposta da UNESCO. Em: ELEÁ, I. (Ed.) Agentes e Vozes: um Panorama da Mídia-Educação no Brasil, Portugal e Espanha. Suécia: The International Clearinghouse on Children, Youth and Media, 2014. Em web: http://www.nordicom.gu.se/sites/default/files/publikationer-hela-pdf/yearbook_2014.pdf Acesso em: 05.02.2018.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia da Letras, 2004.

UNESCO. WILSON, C. et al. Alfabetização Midiática e Informacional: currículo para a formação de professores, Brasília: UNESCO, UFTM, 2013.

XAVIER, Caco. Aids é coisa séria! - humor e saúde: análise dos cartuns inscritos na I Bienal Internacional de Humor, 1997. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.8, n.1, pp.193-221, Junho, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v15i34.6820

Direitos autorais 2020 Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Creative Commons License